AVALIAÇÃO NA ESCOLA EM CICLOS

AVALIAÇÃO NA ESCOLA EM CICLOS
Benigna Maria de Freitas Villas Boas – mbboas@terra.com.br
Pesquisadora colaboradora do Programa de Pós-graduação em Educação da UnB. Coordenadora do grupo de pesquisa Avaliação e Organização do Trabalho Pedagógico – GEPA – http://gepa-avaliacaoeducacional.com.br

Este texto integra o caderno Concepções e Práticas de Avaliação no Ciclo de Alfabetização, do Programa Salto para o Futuro, da TV Escola, ano XXIII, Boletim 8, de maio de 2013

Coordeno um grupo que está desenvolvendo pesquisa com os objetivos de analisar as percepções de estudantes de cursos de licenciatura sobre o processo avaliativo ao qual vêm sendo submetidos e o que eles têm aprendido sobre esse tema. Nossa intenção é dar voz aos estudantes porque constatamos que em outras investigações eles compõem o grupo de interlocutores, mas não são os principais. Levando em conta que eles estão em processo de construção profissional, ouvi-los sobre o que aprendem sobre avaliação e como percebem o processo avaliativo ao qual se submetem parece-nos de suma importância. Read more →

31
May 2013
AUTHOR Villas Boas
COMMENTS No Comments

LIVRO “O USO DO PORTFÓLIO NO ENSINO SUPERIOR”

Benigna Maria de Freitas Villas Boas

Acabo de receber o livro “O uso do portfólio no ensino superior”, de Márcia Ambrósio, publicado pela editora Vozes, 2013. Tive a honra de escrever um dos prefácios. Isso mesmo. São três: um escrito pela professora Maria Isabel da Cunha, outro pela professora Ângela Imaculada L. de F. Dalben e o outro por mim. O livro resulta da tese de doutorado da Márcia. As três professoras que prefaciam o livro compuseram sua banca de defesa de tese. A professora Ângela Dalben foi sua orientadora. Transcrevo o prefácio de minha autoria.
“A pesquisa e a tese de doutorado que originaram este livro partem da seguinte questão: quais conhecimentos e significados os docentes e discentes constroem em sala de aula quando vivenciam a construção de portfólios de aprendizagens num contexto de relação pedagógica dialógica e participativa? Desta questão retiram-se três palavras-chave: portfólio, relação dialógica e relação participativa. Percebe-se, assim, que esta produção se integra às que não se dedicam a denunciar as mazelas educacionais. Ao contrário, aponta possibilidades para que o trabalho da sala de aula se renove por meio de dois princípios fundamentais: a criatividade e a autoavaliação. Read more →

OS PROFESSORES ESTÃO INQUIETOS

Benigna Maria de Freitas Villas Boas

Neste ano de 2013 (ainda estamos em maio) já me encontrei com cerca de 2.000 professores da rede pública de ensino do DF para discutir a avaliação. Somente na aula inaugural do ano letivo estiveram presentes mais ou menos 1.500 docentes. Nesses momentos recebo grande volume de perguntas e comentários por escrito. Muitos deles são respondidos neste site, destinado a ampliar o debate sobre avaliação. Interpreto isso como inquietude e interesse por melhor entender o tema e como busca por melhores formas de praticá-lo. Um dos focos das perguntas costuma ser o envolvimento dos pais no processo avaliativo. Duas perguntas ilustram esse fato: “Como envolver os pais e estudantes nessa discussão [sobre avaliação]?”; “A família ainda não compreende a avaliação no processo, eles sempre pedem para saber como é que está a situação do seu filho, mesmo depois de ler o relatório. O que está faltando? Maior atenção da escola para com a família?” Read more →

23
May 2013
AUTHOR Villas Boas
COMMENTS No Comments

ESTARÁ O BIA PRODUZINDO FRACASSO ESCOLAR?

Benigna Maria de Freitas Villas Boas

Dia 21 de maio de 2013 participei da mesa redonda que abriu o III Circuito Pedagógico da Coordenação Regional de Ensino de Planaltina, uma das cidades do DF. Falei sobre a avaliação na organização da escolaridade em ciclos. Dentre as muitas perguntas apresentadas por escrito surgiu a seguinte: “O BIA traz a perspectiva do trabalho em ciclos mas percebe-se que ao final deste ciclo há um número considerável de retenção. Como garantir que ao final de cada etapa dos ciclos não haja este tipo de retenção?”. Esta é uma questão ainda não resolvida. Não basta eliminar a reprovação durante o ciclo. Ela precisa vir acompanhada de ações que visem atender as necessidades de aprendizagem das crianças assim que surgem. O trabalho escolar precisa ser organizado de modo a permitir a movimentação dos alunos dentro do ciclo, para que recebam a contribuição de diferentes professores e não fiquem presos a turmas e anos. Read more →

23
May 2013
AUTHOR Villas Boas
COMMENTS No Comments

“COMO USAR A AVALIAÇÃO FORMATIVA COM 350 ALUNOS?”

Benigna Maria de Freitas Villas Boas

Dia 21 de maio de 2013 participei da mesa redonda que abriu o III Circuito Pedagógico da Coordenação Regional de Ensino de Planaltina, uma das cidades do DF. Falei sobre a avaliação na organização da escolaridade em ciclos. A discussão sobre a avaliação formativa, função condizente com os ciclos, costuma trazer inquietações aos professores porque desestabiliza o trabalho que vem sendo desenvolvido há muito tempo. Uma da perguntas formuladas pelos professores é a seguinte: “como usar a avaliação formativa quando trabalhamos com 350 alunos?”. Sei que há professores que trabalham com número maior do que este. O grande número de alunos em sala de aula tem sido apontado como obstáculo ao desenvolvimento da avaliação formativa. Em parte os docentes têm razão. A avaliação formativa requer comprometimento do professor com as aprendizagens dos alunos. Contudo, cabe pensar: avaliar de forma classificatória também é um ato trabalhoso. Tenho sugerido aos professores, com quem me encontro, utilizarem os aspectos da avaliação formativa que se adaptem ao seu contexto de trabalho para que construam gradativamente o processo que promova as aprendizagens. Read more →

ENSINAR, APRENDER E AVALIAR: QUESTÃO DE CONCEPÇÃO

Erisevelton Silva Lima (Prof. Eri)
Se as coisas são inatingíveis, isso não é motivo para não querê-las. (Mário Quintana)

Caso não mudemos as concepções sobre ensinar e aprender, tampouco mudaremos a compreensão sobre o que é avaliar. A avaliação, isoladamente, não muda a concepção de ensinar, também não opera sobre o que pensam os professores sobre o que é aprender. Em razão das nossas práticas antigas e equivocadas sobre o que é avaliar respaldadas na função classificatória, a avaliação ocupa lugar derradeiro no processo de ensino. Muitos ainda acreditam que se deve ensinar para depois aprender e que, finalmente, será possível avaliar. Nessa “esteira fabril” transportada para o cenário educativo, a avaliação é concebida como um fim em si mesma para justificar os meios. A compreensão é a de que depois de “tudo” feito, “avalia-se” para corroborar os resultados. Acontece que nós, defensores da avaliação formativa, acreditamos noutra lógica, ou seja, naquela em que o ato avaliativo acontece antes mesmo de ensinar e permanece durante todo o processo servindo de retroalimentação para aqueles que agora aprendem, ensinam e progridem juntos. Read more →

19
May 2013
AUTHOR Villas Boas
COMMENTS No Comments

É POSSÍVEL A NÃO REPROVAÇÃO?

Benigna Maria de Freitas Villas Boas

Retirei do livro “A avaliação da aprendizagem na Escola da Ponte”, de autoria de José Pacheco e Maria de Fátima Pacheco, Editora Wak, 2012, p. 50, o seguinte parágrafo:

“Na Ponte [Escola da Ponte] é bem diferente esse conceito de avaliação. Não existe repetência. A avaliação não tem o objetivo de aprovar ou reprovar. Não existem séries para a criança “passar de ano”. Ela avança conforme sua autonomia e seu ritmo. Em um mesmo espaço convivem crianças que estão estudando objetivos diferentes, que não percorrem o mesmo caminho. É claro que existem aquelas que avançam mais rapidamente, a exemplo de um aluno que, na escola “comum”, estaria no quarto ano e que, na Ponte, já estava alcançando objetivos do sexto ou sétimo ano. Outras já precisam de um tempo maior, mas isso é visto de maneira natural. Os ritmos são respeitados. O que ela não atingiu nesse ano, pode atingir no próximo, sem precisar “repetir” muitas coisas que já foram vistas. Ela segue com aquilo que aprendeu e que ainda precisa ser alcançado”. Read more →

18
May 2013
AUTHOR Villas Boas
COMMENTS 3 Comments

IDEB: PARA QUÊ?

Benigna Maria de Freitas Villas Boas

Reportagem da revista Isto é, de 8/5/2013, descreve “como a união entre professores, pais, alunos e autoridades de Foz do Iguaçu reverteu em pouco tempo índices ruins de aprendizado no ensino básico e conseguiu bater, inclusive, metas estipuladas para 2022″. A escola municipal Adele Zanotto, de Foz do Iguaçu, obteve 7,2 no último Índice de Desenvolvimento da Educação Básica – IDEB – que conjuga dados sobre fluxo escolar e os resultados da Prova Brasil. Professores e funcionários da escola vestem literalmente a camisa da sua instituição. Uma foto mostra uma professora com a nota do IDEB estampada em sua camiseta. Segundo a reportagem, entre os municípios brasileiros com mais de mil alunos matriculados no 5º ano do ensino fundamental, Foz do Iguaçu é o que exibe o melhor resultado. A conquista é recente porque em 2001 o índice de reprovação era de 13% e chegou a 15% em 2009. A ex-secretária municipal de educação, Joane Vilela, justifica tal conquista: “Instituímos o Plano de Estudos Individualizados no turno oposto para alunos com dificuldades, com grande incentivo à leitura e à escrita, e o acompanhamento de frequência e desempenho”. Um dos segredos do êxito, segundo a ex-secretária, é o envolvimento de toda a cidade. Read more →

11
May 2013
AUTHOR Villas Boas
COMMENTS No Comments

AVALIAÇÃO PARA APRENDIZAGEM

Benigna Maria de Freitas Villas Boas

Dificuldades enfrentadas por professores para avaliar são informações que costumo solicitar, por escrito, a docentes da rede pública de ensino do Distrito Federal – DF – quando nos encontramos. São ocasiões propícias à obtenção de suas percepções porque eles se encontram, naquele momento, em situação de reflexão sobre sua prática e suas necessidades. Uma das dificuldades que vem sendo apontada cada vez com mais frequência é revelada nos seguintes depoimentos: “exigência da avaliação seletiva dos alunos (vestibulares, concursos etc.)”; “na escola pede-se que se faça a avaliação formativa, porém, temos que preparar os alunos para enfrentar avaliações quantitativas nos vestibulares, concursos públicos e seleção em empresas. Além da cobrança da direção da escola por resultados”; “a sociedade é capitalista, se o aluno não for cobrado por essa lógica, não estará sendo prejudicado? Pois não conseguirá competir e acabará à margem, em sub-empregos”. Read more →