CARTA DO FÓRUM EDUCACIONAL E SINDICAL 2014 DO SINESP, QUE TEVE COMO TEMA “POLÍTICAS DE RESPONSABILIZAÇAO E SEUS IMPACTOS NAS ESCOLAS”

SINESP: carta de 2014

Publicado em 28/06/2014 por Luiz Carlos de Freitas, no blog do Freitas

CARTA DO FÓRUM EDUCACIONAL E SINDICAL 2014 DO SINESP, QUE TEVE COMO TEMA “POLÍTICAS DE RESPONSABILIZAÇÃO E SEUS IMPACTOS NAS ESCOLAS”

 No vigésimo segundo ano de sua fundação, o SINESP elegeu como princípios norteadores do Fórum Educacional e Sindical:

Analisar e refletir sobre as políticas públicas de Educação do nosso país, o seu impacto nas Unidades Educacionais, no trabalho dos Educadores, na sua saúde e na qualidade do ensino oferecido às crianças, jovens e adultos.

Explicitar a origem dessas políticas e os interesses implícitos em sua aplicação neste momento histórico.

Tendo em vista o direito da população à Educação Pública de qualidade, encaminhar aos governos propostas de melhorias nas políticas educacionais e valorização da Escola Pública e de seus Educadores.

O Fórum Educacional e Sindical do SINESP 2014, realizado nos dias 7 e 8 de maio, no Teatro Gazeta, contou com 700 filiados. Os trabalhos foram coordenados pela Diretoria do SINESP, e contaram com a participação de profissionais convidados, altamente qualificados em sua área de atuação. Read more →

RESUMO CRÍTICO DO LIVRO AVALIAÇÃO EDUCACIONAL: CAMINHANDO PELA CONTRAMÃO

RESUMO CRÍTICO DO LIVRO AVALIAÇÃO EDUCACIONAL: CAMINHANDO PELA CONTRAMÃO, DE LUIZ CARLOS DE FREITAS ET AL, 6ª .ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014

 

Atividade da disciplina Avaliação na EDUCAÇÃO BÁSICA, do Programa de Pós-graduação em Educação da UnB

Profa. Dra. Benigna Maria de Freitas Villas Boas

Mestranda: Simone Moura Gonçalves de Lima

Primeiro semestre letivo de 2014

Resumo Crítico:

          A proposta dos autores é discutir a avaliação educacional em seus três níveis (aprendizagem, institucional e de rede de ensino) numa perspectiva integrada, sob a justificativa de ser este “um campo de forças aberto a contradições que necessitam ser enfrentadas por estudantes e professores” (p.9). Debater este tema com alguns professores que atuam na rede pública de ensino do DF hoje provoca reações do tipo “ainda discutir avaliação?” ou “mas eu já pratico a avaliação formativa…”, quando verificamos através da análise dos resultados dos estudantes, a permanência de práticas avaliativas classificatórias e excludentes, especialmente se nos reportarmos às escolas de anos finais e de ensino médio. Isso demonstra a pertinência em continuar promovendo este debate no ambiente escolar enquanto se defender uma educação pública que promova efetivamente as aprendizagens para todos os estudantes.

No primeiro capítulo, referente à avaliação das aprendizagens, os autores concentram a análise das relações entre professor e aluno desenvolvidas no âmbito da sala de aula. Identificam a avaliação como categoria central da organização do trabalho pedagógico porque através de processos formais e informais ela se fará presente diariamente na dinâmica das aulas. Aliás, demonstram que os aspectos informais são mais significativos para definir ao professor quais são os alunos que acompanharão melhor o desenvolvimento das atividades escolares, porque este primeiramente emite juízos de valor para depois avaliar a compreensão de aspectos dos conteúdos das disciplinas que cada estudante alcançou. Assim, numa espécie de “predestinação”, os alunos que apresentarão baixo rendimento escolar são exatamente aqueles que, ao longo de um período, foram classificados como relapsos, desatentos, desinteressados, preguiçosos… Read more →

EJA: “AQUI É MAIS FÁCIL SER APROVADO E MAIS RÁPIDO”

EJA: “AQUI É MAIS FÁCIL SER APROVADO E MAIS RÁPIDO”

Benigna Maria de F. Villas Boas

Publicado em http://gepa-avaliacaoeducacional.com.br

Reportagem da Folha de São Paulo do dia 09/06/2014 comenta que os adolescentes de 15 a 17 anos que frequentam os anos finais do ensino fundamental se tornaram o maior grupo de alunos a se encaminhar para a Educação de Jovens e Adultos (EJA). No ano passado, eles somavam 466 mil estudantes. Em segundo lugar, vinham os jovens de 20 a 24 anos cursando o ensino médio (442 mil alunos). Em terceiro, apareciam os adultos com mais de 39 anos de idade nos anos iniciais do ensino fundamental (370 mil).

Segundo a reportagem, o objetivo do “ensino acelerado” era oferecer oportunidade aos adultos que não conseguiram terminar os estudos ou buscavam uma segunda chance. A reportagem se refere ao trabalho da EJA como “ensino acelerado”, o que é bastante questionável.

Ainda segundo a reportagem, a partir de “analistas” consultados, a ida de jovens para a EJA é uma das causas do afastamento de adultos, que se sentiriam inseguros estudando com os jovens. Read more →

AVALIAR É UMA EXPERIÊNCIA COTIDIANA!

AVALIAR É UMA EXPERIÊNCIA COTIDIANA!

Débora Cristina S. da Cruz Vieira

 

Reflexão crítica como atividade da disciplina Avaliação na educação básica, do Programa de Pós-graduação em Educação, da UnB, oferecida pela professora Benigna Villas Boas, durante o primeiro semestre de 2014

 

            Comecei o semestre feliz por ter conseguido me matricular na disciplina Avaliação na Educação Básica, tinha muitas expectativas em relação à mesma e principalmente em relação à professora Benigna. Até então, conhecida pelas palestras da SEEDF, orientadora da minha querida Cláudia Queiroz e autora de dois livros da editora Papirus, que ocupavam a minha estante, mas que ainda não haviam sido lidos na sua totalidade.

Estas eram as minhas poucas informações sobre a professora, mas estudar sobre avaliação era um desejo amparado por uma fragilidade na minha formação inicial: não sou pedagoga, sou licenciada em Letras. Atuo na SEEDF há dezessete anos com anos iniciais e/ou Educação Infantil e não ser pedagoga sempre tornou legítima a minha busca por uma formação continuada que preenchesse estas lacunas, me impulsionando a buscar em cursos, participação de eventos e leituras individuais esta formação que não havia recebido inicialmente. E agora, como aluna do PPGE-UnB, tive a oportunidade de refletir sobre a avaliação, que não poderia ser desperdiçada, então aqui estou! Read more →

NÃO HÁ BALA DE PRATA NA EDUCAÇÃO!

Artigo – Maria Alice Setubal

Publicada: 05/06/2014

Não há bala de prata na educação!

 

05/06/2014 – 02h00 – Folha de S.Paulo  

A sociedade brasileira elegeu a educação pública como prioridade nacional. Dos clamores das ruas aos pais e gestores dos municípios da Chapada Diamantina, são exigidas mudanças que promovam uma educação de qualidade para todos.

A comunidade educativa vem produzindo conhecimento sobre as variáveis que impactam a aprendizagem e dialogando com experiências internacionais. Os debates com o poder público têm se multiplicado. Há um consenso de que é preciso considerar a diversidade dos contextos brasileiros e dos atores.

No entanto, o sentido de urgência por mudanças vem sendo responsável por análises fragmentadas e proposições que não reúnem todas as dimensões necessárias. A proliferação de propostas que focalizam a solução a partir de apenas uma variável ou que responsabilizam apenas um dos sujeitos envolvidos pouco tem a contribuir com o debate e, mais grave, gera distorções no papel e atribuições da educação para um projeto de país.   Read more →

PNE É APROVADO NA CÂMARA E CNTE LUTARÁ POR DOIS VETOS NA LEI

PNE é aprovado na Câmara e CNTE lutará por dois vetos na Lei

veta dilma selo web

A Câmara dos Deputados concluiu ontem (3/6) a votação do PL 8.035/2010, que versa sobre o Plano Nacional de Educação, após três anos e meio de tramitação no Congresso.Dos dois pontos pendentes de votação nessa terça-feira, um foi aprovado pelo plenário e outro retirado da pauta. 

A vitória da sociedade ficou por conta da incorporação do Custo Aluno Qualidade (inicial e permanente) com a devida complementação da União, mecanismo que deverá ser regulamentado pelo Congresso nos próximos dois anos. Por outro lado, os parlamentares optaram por abrir mão do financiamento público exclusivamente para a educação pública, possibilitando repasses a entidades privadas nos termos da redação aprovada pelo Senado para o art. 5º, § 4º do projeto de PNE.

Na semana anterior, por ocasião da votação do texto base do PNE, a Câmara já havia incorporado a estratégia 7.36 do Senado, a qual contraria a perspectiva de uma escola pública, democrática e de qualidade para todos/as. O dispositivo consolida a lógica de uma meritocracia perversa para as escolas públicas – dada as diferentes realidades sociais dos estudantes e a necessidade de valorização das carreiras dos trabalhadores escolares –, devendo ter resultados contraproducentes no processo escolar.

Em razão dessas questões prejudiciais, o Conselho Nacional de Entidades da CNTE aprovou a realização de campanha pelo veto presidencial ao parágrafo 4º do art. 5º do projeto de lei do PNE – a fim de prevalecer o comando da meta 20, que destina 10% do PIB para a educação pública – e também à estratégia 7.36, pelas razões acima expostas.

Em outra frente de luta, a CNTE e seus sindicatos filiados mobilizarão as comunidades escolares para pressionar a elaboração democrática e a aprovação dos planos estaduais, distrital e municipais de educação, dentro do prazo definido pelo PNE – 1 ano após a vigência da lei federal.

Os planos infranacionais devem pautar os temas do PNE, porém as metas, as estratégias e as correspondentes ações podem e devem ser mais ousadas que a do plano nacional. Dentre os desafios, destaques para o incremento no financiamento – devendo, ao menos, cada unidade federada dobrar o atual investimento na educação em relação ao PIB local – e para a regulamentação da gestão democrática, dos planos de carreira para todos os trabalhadores escolares, do aprimoramento das instâncias de controle social sobre as verbas públicas, do acesso à formação profissional inicial e continuada para professores e funcionários e do regime de contratação permanente de profissionais pelas redes de ensino.

Sobre este último ponto, o PNE estabeleceu prazo de até três anos para que as redes de ensino incorporem 90% dos/as professores/as nos quadros permanentes de servidores públicos e, no mínimo, 50% dos funcionários da educação.

Não obstante os pontos que serão alvo da campanha pelos vetos presidenciais, a CNTE considera que o novo Plano Nacional de Educação eleva o patamar de luta dos/as trabalhadores/as em educação e da sociedade por escola pública de qualidade para todos/as, razão pela qual a mobilização dos atores educacionais deve concentrar-se na implementação integral do PNE em todas as redes escolares.

Dentre as principais pautas para o próximo período, além das citadas acima, estão a regulamentação do sistema nacional de educação, em até dois anos, a aprovação da Lei de Responsabilidade Educacional, em até um ano, a realização do censo dos funcionários da educação, a universalização das matrículas escolares dos estudantes de 4 a 17 anos, com atenção especial à expansão das creches públicas, ao combate do analfabetismo com a consequente elevação da escolaridade da população jovem e adulta do país, além da ampliação das vagas públicas na educação técnica profissional e no ensino superior e a implementação do CAQi e CAQ como referencial para as políticas de melhoria da qualidade da educação e de valorização de seus profissionais.

A CNTE aproveita para parabenizar seus sindicatos filiados e os demais parceiros pela luta que garantiu avanços importantes no projeto original do PNE, mesmo com todo o atraso na tramitação, bastante prejudicial do ponto de vista da urgência em se garantir o pleno direito ao acesso e à aprendizagem dos estudantes na escola pública.

Em breve, a CNTE publicará uma avaliação do PNE contendo a posição da Entidade sobre todos os pontos da futura Lei que norteará as políticas públicas educacionais na próxima década no país.

Share0

Read more →

06
Jun 2014
AUTHOR Villas Boas
CATEGORY

PNE

COMMENTS No Comments

PROVINHA BRASIL E REGULAÇÃO: IMPLICAÇÕES PARA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO

Provinha Brasil e Regulação: Implicações para a Organização do Trabalho Pedagógico

 

Elisângela Teixeira Gomes Dias defendeu sua tese de doutorado no dia 29 de abril de 2014 no Programa de pós-graduação em Educação da UnB para a qual realizou pesquisa com o objetivo geral de compreender as implicações da utilização da Provinha Brasil (PB) para o trabalho pedagógico de professores e gestores da rede pública de ensino do Distrito Federal, a partir do processo de multirregulação desta política de avaliação, considerando as contradições e ambiguidades da realidade histórico-social investigada. A pesquisa baseou-se nos dados e nas informações obtidas pela pesquisadora por meio das observações de reuniões desenvolvidas pelos gestores de nível central e intermediário da Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (SEDF); do acompanhamento sistemático do trabalho desenvolvido durante um ano letivo, em uma escola de Anos Iniciais do Ensino Fundamental, pelos gestores, coordenadores e professores, em especial as docentes das quatro turmas de 2º ano; dos depoimentos registrados no diário de campo, coletados nas entrevistas e também nas respostas dos questionários aplicados aos 324 professores alfabetizadores que atuavam no 2º ano de escolarização. Os dados empíricos, articulados à análise documental realizada, possibilitaram o confronto entre a intenção propagada por essa política com a realidade vivenciada. O movimento de análise, sustentado no campo do materialismo histórico-dialético, foi construído na articulação entre as categorias metodológicas estruturadas a partir de Cury (2000), contradição, totalidade, mediação, reprodução e hegemonia, com as categorias conceituais, apreendidas pelo recorte teórico-prático do objeto de estudo: avaliação externa, regulação e organização do trabalho pedagógico. Read more →

ESCOLAS RECEBERÃO EM JUNHO RESULTADOS DA AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO

Escolas receberão em junho resultados da Avaliação Nacional da Alfabetização

Versão para impressão

27/05/2014

 

Mariana Tokarnia – Repórter da Agência Brasil Edição: Stênio Ribeiro

No mês que vem, as escolas receberão os resultados da Avaliação Nacional da Alfabetização (ANA). Além dos resultados, as escolas terão acesso a uma contextualização, com dados de infraestrutura, corpo docente e nível socioeconômico, segundo explicou hoje (27) o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Chico Soares.

“A intenção é que as escolas deem mais a quem precisa. Se eu tenho uma escola com alunos difíceis, porque trazem menos de casa, tenho que ter uma escola menos complexa”, diz ele.

A ANA foi aplicada pela primeira vez no ano passado. As provas avaliaram os conteúdos de leitura, escrita e matemática dos alunos no final do ciclo da alfabetização. No total, fizeram a avaliação 2,6 milhões de estudantes, de 55 mil escolas. Read more →

04
Jun 2014
AUTHOR Villas Boas
CATEGORY

Uncategorized

COMMENTS No Comments

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE SP EXIGE MUDANÇA NO CURRÍCULO DOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA USP, UNESP E UNICAMP

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE SP EXIGE MUDANÇA NO CURRÍCULO DOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA USP, UNESP E UNICAMP

Benigna Maria de Freitas Villas Boas

Publicado em http://gepa-avaliacaoeducaciona.com.br em 1º/06/2014

Transcrevo abaixo reportagem da Folha de São Paulo de 31/05/2014 sobre decisão do Conselho Estadual de Educação de São Paulo que impõe mudanças no currículo dos cursos de licenciatura da USP, UNESP e UNICAMP. O tema em questão merece muita reflexão porque simplesmente aumentar a carga horária de estágios e de disciplinas sobre a prática escolar, como quer o Conselho de Educação, não basta. É preciso que o curso como um todo tome como referência o trabalho da escola de educação básica em todos os seus níveis/modalidades/etapas/contextos. Além disso, é necessário que os professores dos cursos de licenciatura tenham familiaridade com o trabalho dessa escola, por diversos meios. Há docentes de cursos de licenciatura que falam “sobre” a escola, mas não a conhecem. Read more →