TEMPO EM SALA DE AULA DE PROFESSORES DOS ESTADOS UNIDOS

TEMPO EM SALA DE AULA DE PROFESSORES DOS ESTADOS UNIDOS

Benigna Maria de Freitas Villas Boas

Segundo relatório da OCDE, os professores de escolas elementares e médias dos Estados Unidos são os que atuam em sala de aula mais tempo. O relatório apresenta a situação da educação nos países mais desenvolvidos do mundo. Além do trabalho em sala de aula, esses professores são os que permanecem mais tempo na escola.

 

Fonte: http://blogs.edweek.org/education

 

 

 

28
Dec 2014
AUTHOR Villas Boas
CATEGORY

Trabalho docente

COMMENTS No Comments

PREPARANDO-SE PARA UMA RENASCENÇA NA AVALIAÇÃO

Preparando-se para uma renascença na avaliação: pela Pearson

Publicado em 27/12/2014 por Luiz Carlos de Freitas no blog do Freitas

Uma das maiores corporações mundiais no campo da educação e da avaliação divulga texto em que desenha como será o futuro: “Preparando-se para uma renascença na avaliação”. Em um texto de 88 páginas (em inglês), a Pearson mostra seus planos para modificar a educação em escala mundial.

Peter Greene comenta (em inglês) o documento em várias postagens de seu blog: Parte 1Parte 2Parte 3Parte 4.

 

CRÍTICA AO REGIME DE RESPONSABILIZAÇÃO

Acredite se quiser…

Publicado em 20/12/2014 por Luiz Carlos de Freitas, no blog do Freitas

As alternativas para não entrarmos no desastre educacional americano estão disponíveis. Hoje em todas as vertentes de avaliação encontramos críticos da situação americana – até mesmo os amantes da accountability pensam em fazer algo mais light no Brasil – alguns pelo menos. O que eles não consideram é que ninguém controla o mercado. Só o próprio mercado. E quem comanda a abordagem americana é o mercado educacional apoiado no mercado empresarial. Não há versão light para o mercado, há apenas o lucro. Aquele país tem hoje muito claro o que deve fazer para apagar a amarga experiência da accountability baseada em testes padronizados. Abaixo o caminho é apontado por um grupo de professores.

Do Blog de Diane Ravitch

A sabedoria dos professores: uma nova visão da accountability

Qualquer um que critique o actual regime de responsabilização baseado em teste é inevitavelmente questionado: Pelo que você o substituiria? A responsabilização com base em testes falha porque está baseada na falta de confiança nos profissionais. Ele falha porque confunde a medição com instrução. Nenhum médico diz a um paciente doente, “Vá para casa, tome a sua temperatura de hora em hora, e me chame daqui um mês.” A medição não é um tratamento ou uma cura. É medição. Não fechar as lacunas: mede-as. Read more →

INGLATERRA, USA, SÃO PAULO: MESMA POLÍTICA, MESMOS RESULTADOS

Inglaterra, USA, São Paulo: mesma política, mesmos resultados

Publicado em 10/12/2014 por Luiz Carlos de Freitas no blog do Freitas

Mergulhada em políticas de reformas empresariais na educação, a Inglaterra amarga consequências que aparecem no recente lançado relatório dos Inspetores de Escolas. O Chefe dos Inspetores deu a seguinte entrevista ao The Guardian:

“O chefe dos inspetores de escolas, alertou que bons professores estão em falta nas áreas de maior necessidade e revelou detalhes do fracasso crescente das escolas secundárias na Inglaterra, com dezenas de milhares de alunos frequentando escolas consideradas inadequadas.

Ao lancar seu relatório anual, Michael Wilshaw disse que o país deve ficar preocupado com a crescente divisão entre as escolas primárias e secundárias. Read more →

11
Dec 2014
AUTHOR Villas Boas
COMMENTS No Comments

DEAR TEACHER, YOU ARE NOT THE MOST IMPORTANT THING IN THE WORLD

Education in Two Worlds

Dear Teacher, You Are Not the Most Important Thing in the Universe

Posted: 02 Dec 2014 11:53 AM PST

The Arizona Republic has a very conservative Editorial Board for a very conservative newspaper in a very conservative state. So when they address the subject of teacher preparation, it’s no surprise that they parrot folk wisdom about schools and teachers.

In addressing Arne Duncan’s new guidelines on teachers colleges, the Editorial Board strikes its closing notes by perpetrating one of the more pernicious myths about teachers and schools.

Plenty of research has come to a common-sense conclusion: Nothing is more important to the success of a student than a highly qualified teacher. But we don’t have enough of them, nor will we as long as teacher colleges are not held accountable.

Now that’s a statement that packs a big load of deceit into just 43 words. First, it’s highly doubtful that the Arizona Republic Editorial Board has made itself familiar with “plenty of research” about education. Second, in their review of “plenty of research,” apparently their faith in the ability of test scores to hold teachers colleges “accountable” was never shaken?* But worst of all is the repeat of that tired wheeze that nothing is more important than a teacher.

What makes the All-Important-Teacher myth so pernicious is that teachers themselves occasionally and the general public usually take it as a compliment when in fact it is an attack on teacher tenure and professional autonomy.

The facts of the matter are that teachers are not the most important thing determining what a child gets out of school. What a child brings to school is much more important. Jim Coleman showed this in 1966 in Equality of Educational Opportunity, and though he softened his position slightly in 1972 when he accorded a bit more important to schooling that he had 6 years prior, out-of-school influences remained dominant in determining how much kids learned during their years in school. Parents, home and neighborhood conditions, physical health, language use and language complexity in the home, whether the student lives in a psychologically and physically healthy environment with access to competent medical care, access to books, games and activities that prepare the student for school, and even genetic endowment can greatly contribute to or restrict a child’s development. What walks in the door on Day #1 has more to do with what leaves on Day #2340 (180 X 13) than what transpires during the few hours of students’ lives that they are in the classroom, attentive, and capable of absorbing what that teacher is talking about.

Teachers are wonderful human beings. For many children, teachers are the most caring and competent individual whom they will encounter during their lifetime. But teachers cannot undo the damage inflicted on youngsters by a society in which nearly half of all births are to unwed mothers and in which more than 20% of children live below the poverty level (income below $23,000 for a family of 4).

So, my fellow teachers, beware. Don’t fall for the false compliment that you are so important — so important that you should be fired if your students’ test scores are lagging behind, so important that your school’s graduation rate is a moral and a civil rights issue, so important that you should be replaced by an inexperienced liberal arts major on a two-year resume building junket.

*Just take a look at Bruce Baker’s analysis of the absurdity of judging teachers by their students’ test scores.

Gene V Glass Arizona State University National Education Policy Center University of Colorado Boulder

Read more →

10
Dec 2014
AUTHOR Villas Boas
COMMENTS No Comments

Gene V Glass: Education in Two Worlds: Dear Teacher, You Are Not the Most Important Thing… http://t.co/wsiklz08xt

08
Dec 2014
AUTHOR Villas Boas
CATEGORY

Uncategorized

COMMENTS No Comments

54% DOS JOVENS CONCLUEM O ENSINO MÉDIO ANTES DOS 19 ANOS

Educação

 

 

08 de dezembro de 2014 • 07h40

Em 2013, 54,3% concluem ensino médio até os 19 anos

Apesar do índice baixo, ele vem apresentando melhora ao longo dos anos

 

Levantamento divulgado hoje (8) pelo movimento Todos pela Educação mostra que, em 2013, apenas 54,3% dos jovens brasileiros conseguiram concluir o ensino médio até os 19 anos. O indicador foi calculado com base nos resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) 2013. O índice, no entanto, vem apresentando melhora ao longo dos anos. Em 2007, 46,6% dos jovens concluíram o ensino médio até os 19 anos. Em 2009, foram 51,6% e, em 2012, 53%.

Uma das metas propostas pelo Todos pela Educação para que se garanta educação de qualidade é que até 2022 pelo menos 90% dos jovens concluam o ensino médio até os 19 anos.

A coordenadora-geral do movimento, Alejandra Meraz Velasco, diz que os dados mostram que as melhorias feitas no ensino fundamental não se traduziram em melhoria automática no ensino médio. Ela defende a reformulação do ensino médio, de forma a tornar essa etapa mais atrativa aos jovens. Read more →