PERNAMBUCO: ATRASO PEDAGÓGICO INÉDITO

Pernambuco: atraso pedagógico inédito

Publicado em 23/08/2015 por Luiz Carlos de Freitas no blog do Freitas

É surpreendente que um dos Estados destacados do nordeste (que nos brindou com um dos mestres mais respeitados mundialmente, Paulo Freire) esteja sendo vítima de um grave atraso pedagógico que marcará gerações de professores e estudantes. O site da Secretaria da Educação do Estado de Pernambuco divulgou um novo sistema de controle da atividade didática do professor e de registro de frequência dos alunos. Trata-se da recriação de procedimentos de controle que já se julgavam superados desde que o tecnicismo pedagógico perdeu força ainda nos anos 70. Chamam-no de “Sistema de Fortalecimento das Aprendizagens”:

“A ação de Fortalecimento das Aprendizagens tem como principal objetivo apoiar os estudantes do ensino fundamental, anos finais, e do ensino médio da Rede a fim de que os mesmos melhorem seu desempenho escolar e superem as principais dificuldades referentes à aprendizagem em Língua Portuguesa e Matemática. Read more →

FALTA DE VERBA CANCELA A ANA

Falta de verba cancela a ANA

Publicado em 19/08/2015 por Luiz Carlos de Freitas no blog do Freitas

Preferiram cancelar a Avaliação Nacional da Alfabetização (ANA) que tem formato censitário (ou seja, é aplicada a todas as escolas) a fazê-la amostral (ou seja aplicada a um grupo de escolas menor mas representativo). Seria muito mais barato. As avaliações da educação básica não precisam ser censitárias (e caras) para orientar política pública. Basta que se façam avaliações amostrais e pode-se perfeitamente, com isso, ter uma ideia adequada de como está o desenvolvimento da educação básica.

Ocorre que em seu formato amostral, não se pode fazer rankings de escolas e nem controlar as escolas uma a uma, com políticas de responsabilização. Para este propósito, só fazendo avaliação censitária. E como a opção é pelo controle, então não se aceitam avaliações amostrais no INEP. Por falta de verbas, o governo preferiu cancelar a avaliação e ficar sem nenhum parâmetro, a ter uma avaliação amostral. O INEP, órgão que deveria assessorar o MEC nestas decisões, preferiu não abrir precedentes e ser fiel à sua opção pelas políticas de responsabilização verticais. Read more →

21
Aug 2015
AUTHOR Villas Boas
CATEGORY

ANA

COMMENTS No Comments

PREPARANDO PARA TESTES

Preparando para testes

Publicado em 19/08/2015 por Luiz Carlos de Freitas no blog do Freitas

Um dos efeitos dramáticos dos exames externos sobre a escola (ENEM, Prova Brasil, etc.) é o tempo roubado do ensino e destinado ao treinamento para provas. O aspecto formativo cede espaço (e dinheiro) para simples treino com finalidade de se sair bem nos testes. Os testes medem mais esta preparação do que o próprio conhecimento do aluno – além, é claro, de seu posicionamento social.

Como relatam duas reportagens, nas escolas particulares isso já é realidade. Em uma delas se lê que estas escolas contratam corretores externos para analisar as redações escolares de seus alunos.

“O Colégio Pentágono, em Perdizes, zona oeste da capital, é um dos que contratam corretores externos para tornar a análise mais próxima do que acontece no exame real. “Quando o próprio professor avalia, há um vínculo afetivo com o aluno. Se chamamos uma pessoa de fora, a correção fica mais isenta”, explica o diretor pedagógico, Cláudio Giardino”. Read more →

20
Aug 2015
AUTHOR Villas Boas
CATEGORY

Exames externos

COMMENTS No Comments

WHY I AM NO LONGER A MEASUREMENT SPECIALIST

Why I Am No Longer a Measurement Specialist

 

Posted: 17 Aug 2015 04:00 PM PDT by Gene V Glass

 

I was introduced to psychometrics in 1959. I thought it was really neat.

By 1960, I was programming a computer on a psychometrics research project funded by the Office of Naval Research. In 1962, I entered graduate school to study educational measurement under the top scholars in the field.

My mentors – both those I spoke with daily and those whose works I read – had served in WWII. Many did research on human factors — measuring aptitudes and talents and matching them to jobs. Assessments showed who were the best candidates to be pilots or navigators or marksmen. We were told that psychometrics had won the war; and of course, we believed it.

The next wars that psychometrics promised it could win were the wars on poverty and ignorance. The man who led the Army Air Corps effort in psychometrics started a private research center. (It exists today, and is a beneficiary of the millions of dollars spent on Common Core testing.) My dissertation won the 1966 prize in Psychometrics awarded by that man’s organization. And I was hired to fill the slot recently vacated by the world’s leading psychometrician at the University of Illinois. Psychometrics was flying high, and so was I. Read more →

PAIS RESISTEM AOS TESTES

Nova York: pais resistem aos testes

Publicado em 17/08/2015 por Luiz Carlos de Freitas, no blog do Freitas

Carolyn Thompson informa que cerca de 20% dos estudantes do terceiro ao oitavo ano de escolaridade do Estado de Nova York recusaram-se a fazer os testes estaduais de Inglês e Matemática. A informação é da Secretaria da Educação do Estado que divulgou os resultados da última avaliação realizada. As pontuações tiveram apenas um ligeiro aumento no desempenho global dos estudantes.

Em números, foram 900 mil alunos que fizeram o teste e 200 mil que se recusaram a fazer o teste, valendo-se da lei “opt out” que permite que os pais determinem se os filhos devem ou não realizar testes de larga escala. O resultado dos “opt outs” foi considerado um sucesso para os movimentos de resistência aos testes dentro dos Estados Unidos que consideram que há excessiva dependência de testes no estado.

No ano anterior, houve apenas 5% de “opt outs” o qual saltou, agora, para 20%. Read more →

ENEM 2014: PERCEPÇÃO DO ÓBVIO

ENEM 2014: PERCEPÇÃO DO ÓBVIO

Profa. Mestre Enílvia Rocha Morato Soares

 

Estamos mais uma vez vivendo a costumeira avalanche de manchetes que acompanham a divulgação dos resultados do ENEM, que suscita sentimentos que transitam entre a indignação pela má qualidade do ensino brasileiro até a alegria de constatar que ainda é possível contar com escolas que, em meio ao caos, se destacam pelos bons resultados que alcançam.

A novidade deste ano fica por conta da nova roupagem dada aos rankings pelo MEC e pelo INEP, ao apresentarem fatores que podem estar influenciando os índices que colocaram escolas no “top 20”do ENEM, ou seja, que ficaram entre as 20 escolas que obtiveram as melhores notas no Exame realizado em 2014. Read more →

10
Aug 2015
AUTHOR Villas Boas
CATEGORY

ENEM

COMMENTS No Comments

O QUE (NÃO) REVELA O ENEM?

O QUE (NÃO) REVELA O ENEM?

Profa. Dra. Elisângela Teixeira Gomes Dias

Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) é um teste de caráter voluntário, oferecido anualmente aos estudantes que estão concluindo ou que já concluíram o ensino médio, e tem diferentes funções. Além de ser utilizado como forma de seleção unificada nos processos seletivos das universidades públicas federais e como requisito para obtenção de bolsas de estudos integrais ou parciais em cursos de graduação ou cursos sequenciais de formação específica, em instituições privadas de educação superior, por meio do Programa Universidade para Todos (ProUni), este ano passou a possibilitar ou não o acesso do estudante ao Financiamento Estudantil – FIES. Pode ser utilizado ainda para fins de certificação de conclusão do ensino médio, ou mesmo como um instrumento de autoavaliação para quem deseja saber como está seu desempenho considerando o conjunto dos alunos.

O que revelam os dados gerados neste exame? Como são publicizados, interpretados e difundidos? Não temos a intenção de analisar em profundidade tais questionamentos, mas levantamos o debate em torno de alguns aspectos. Read more →

ESCOLA MAIOR TENDE A SER MELHOR PARA A FORMAÇÃO, DIZ MINISTRO

Folha de São Paulo, 9 de agosto de 2015

http://www.1.folha.uol.com.br

ESCOLA MAIOR TENDE A SER MELHOR PARA A FORMAÇÃO, DIZ MINISTRO

Entrevista com Renato Janine Ribeiro

Divulgados na semana passada, os resultados do Enem trazem atualmente diversas informações além das notas. Para o ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, os pais devem estar especialmente atentos ao tamanho das escolas.

“Tendo a dizer: procure uma escola maior. Ali, seu filho terá contato com pessoas mais diferentes entre si”, disse o ministro à Folha.

A decisão não é simples, porque os colégios com as melhores notas no Enem costumam ser pequenos (os quatro primeiros têm entre 31 e 60 estudantes no final do ensino médio).

A seguir, a entrevista com o ministro, que falou também sobre medidas que devem ser adotadas para melhorar o ensino médio e o peso da desigualdade social nas notas. Read more →

ENEM: PARA QUÊ?

ENEM: PARA QUÊ?

Profa. Dra. Sílvia Lúcia Soares

Presenciamos, mais uma vez, a divulgação do resultado do ENEM à sociedade, da qual emergiram opiniões, principalmente da mídia, atrelando o desempenho dos estudantes à qualidade da educação brasileira. Concomitantemente aos dados obtidos, propagaram-se análises que, na maioria das vezes, estão assentadas no senso comum sem o devido trato político-pedagógico e diálogo com a realidade das escolas e dos estudantes. Além do mais, vimos também veiculados pelos meios de comunicação depoimentos de gestores da área de educação com interpretações de cunho estatístico e suposições pedagógicas expostas de forma desconexa e desgarrada de uma análise mais ampla – os condicionantes sociais, políticos e econômicos que influenciam e são influenciados pela avaliação. Posturas como essas ajudam a reforçar concepções ingênuas e desprovidas de análise mais aprofundada sobre os aspectos nocivos e excludentes da avaliação. Read more →

REFLEXÃO SOBRE O ENEM

REFLEXÃO SOBRE O ENEM

Profa. Dra. Maria Susley Pereira

“DF tem apenas uma escola entre as 50 melhores do país”. Esta é a manchete do jornal Correio Braziliense, publicada em 05/08/2015, referindo-se ao ENEM.

O Exame Nacional do Ensino Médio – ENEM, segundo o Ministério da Educação, tem por objetivo avaliar o desempenho do aluno ao fim da educação básica. A cada aplicação desse exame vivenciamos uma enxurrada de publicações da mídia que nos obriga a refletir sobre, no mínimo, duas questões: em primeiro lugar, o ENEM é um instrumento de avaliação externa em larga escala incapaz de expressar, de forma verossímil, a quantas andam as aprendizagens dos alunos, especialmente, porque só participa dele quem quer, o que, entre outros fatores, inviabiliza termos uma noção mais objetiva acerca do que os alunos são ou não capazes após irem à escola por, pelo menos, 12 anos. Isso não quer dizer que o que atrapalha é fato o de o exame ser voluntário, mas sim porque a feição do exame passou a ser a de um grande concurso, um “vestibularzão”, e nada mais, e que, na prática, tem servido apenas para escolher quem vai participar de algum programa federal (SISU, FIES, etc.). Assim sendo, nem deveria ser considerado instrumento de avaliação educacional.

Em segundo lugar, é preciso pensarmos, com máxima reflexão crítica, acerca das manchetes midiáticas e das propagandas geradas a partir do ranqueamento nítido proveniente dos resultados desse exame. De que vale saber se uma unidade da federação ficou em 1º ou 68º lugar? O que isso significa em termos de “qualidade” da educação ofertada? O que isso nos mostra em relação ao que nossos alunos estão aprendendo ou não? O fato é que não se tem uma análise desses resultados que possa contribuir para o panorama geral da educação no país. Temos uma classificação que, naturalmente, desconsidera todos os fatores relacionados às características de cada escola, de cada profissional da educação envolvido, de cada aluno, de cada cidade. Enfim, como qualquer classificação, se exime do contexto real da educação no Brasil.

07
Aug 2015
AUTHOR Villas Boas
CATEGORY

ENEM

COMMENTS No Comments