CONSIDERAÇÕES SOBRE A AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL NA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR

CONSIDERAÇÕES SOBRE A AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL NA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR (SEGUNDA VERSÃO)

Benigna Maria de Freitas Villas Boas

Nas 676 páginas que compõem a segunda versão da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) apenas a etapa da Educação Infantil aborda o tema avaliação, de forma breve. O documento afirma que “as instituições de educação infantil são responsáveis por criar procedimentos para o acompanhamento dos percursos das crianças e para a avaliação do trabalho pedagógico” (p. 61). Infere-se daí o reconhecimento da existência de dois níveis da avaliação: das aprendizagens e do trabalho pedagógico, com as crianças e o trabalho pedagógico da instituição. Contudo, o texto se refere apenas à avaliação das aprendizagens. Em seguida, encontra-se que “ a avaliação não tem o objetivo de aferir o desempenho das crianças, mas, sim, de se constituir como um instrumento de reflexão sobre suas aprendizagens e também de busca dos melhores caminhos para orientar a continuidade da prática pedagógica” (p. 61). A palavra “instrumento” é infeliz porque poderá ser associada a instrumentos formais de avaliação. Read more →

BNCC: DILEMAS PARA OS SEMINÁRIOS ESTADUAIS

BNCC: dilemas para os Seminários Estaduais

Publicado em 26/06/2016 por Luiz Carlos de Freitas no blog do Freitas

Há algumas semanas ocorreu no Congresso uma sessão em que o Centro Lemann sediado em Stanford (USA) apresentou-se aos parlamentares e abordou a questão da Base Nacional Comum com a Frente Parlamentar da Educação no Congresso. O cenário de dúvidas apresentado durante o evento põe em questão o esforço para se construir uma nova versão da BNCC para todas as disciplinas. A razão da dúvida vem da intervenção do Deputado Rogério Marinho (PSDB) durante o evento. Read more →

26
Jun 2016
AUTHOR Villas Boas
CATEGORY

BNCC

COMMENTS 1 Comment

PREFEITO SELECIONA CRIANÇAS QUE PODEM FICAR EM CRECHE

Em vários Jornais impressos e no Jornal “O tempo” e G1. Globo (10/06/16)– Foi publicada a seguinte notícia:

 

Prefeito ‘seleciona’ crianças que podem ficar em creche de Doresópolis – Carolina Caetano

“Uma decisão da Prefeitura de Doresópolis, na região Centro-Oeste de Minas Gerais, pegou os moradores de surpresa. Desde o dia 1º de junho, mães desempregadas não podem deixar seus filhos na única creche municipal. O objetivo da “seleção” dos alunos que entram ou não na instituição é reduzir gastos do município. Read more →

24
Jun 2016
AUTHOR Villas Boas
COMMENTS No Comments

“PREGUIÇA DE LER E ESCREVER” E INTERNET SÃO RESPONSÁVEIS POR ERROS DE PORTUGUÊS

Uol Educação

‘Preguiça de ler’ e internet são responsáveis por erros de português

Estadão

07/06/2016

 

São Paulo – Principal responsável pela eliminação de candidatos às vagas de estágio, o uso incorreto da língua portuguesa é justificado pelos jovens como “preguiça de ler”. Pesquisa, realizada pelo Núcleo Brasileiro de Estágios (Nube), mostrou que 40% dos estudantes são reprovados nas seleções para estágio por apresentarem maus resultados em testes ortográficos e redações. Read more →

“A PESSOA PRECISA SER ENSINADA A PENSAR CRITICAMENTE”, DIZ JANINE

Carta Educação

“A pessoa precisa ser ensinada a pensar criticamente”, diz Janine

Ex-ministro da Educação condenou projetos como o Escola Sem Partido, por evitarem que a escola questione ideias

Thais Paiva

3 de junho de 2016

Janine é professor titular de Ética e Filosofia Política na USP e foi ministro da Educação entre abril e outubro de 2015

 

“Antes de falar sobre o que precisamos fazer pela Educação brasileira no século XXI, é preciso ver o que ficamos devendo para o século XX”.

Com essa perspectiva retroativa, Renato Janine Ribeiro, professor titular de Ética e Filosofia Política na USP e ministro da Educação entre abril e outubro de 2015, iniciou sua fala no Congresso Nacional de Educadores, evento organizado pela Pearson nos dias 1 e 2 de junho, em São Paulo. O encontro reuniu gestores e docentes sob o tema “Educação Brasileira no século XXI”. Read more →

NOTA DO CONSELHO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA (FE/UNB) SOBRE O PROJETO DE LEI “ESCOLA SEM PARTIDO”

Nota do Conselho da Faculdade de Educação da Universidade de Brasília (FE/UnB) sobre o Projeto de Lei “Escola sem Partido”

 Brasília, 02 de junho de 2016.

 

O Conselho da Faculdade de Educação (FE) vem a público manifestar sua preocupação com o Projeto de Lei (PL) “Escola sem Partido”, que tramita no Senado e nos legislativos de vários estados e municípios brasileiros.

 

O PL, que propõe criminalizar professores sensíveis aos temas dos direitos humanos, representa uma grave ameaça ao livre exercício da docência e constitui um retrocesso na luta histórica de combate à cultura do ódio, à discriminação e ao preconceito contra mulheres, negros, indígenas, população LGBTT, comunidades tradicionais e outros segmentos sociais vulneráveis. Read more →

GRUPO DE PESQUISA AVALIAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO – GEPA: UM INVENTÁRIO DE 15 ANOS DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA

GRUPO DE PESQUISA AVALIAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO – GEPA: um inventário de 15 anos de produção científica

Carmyra Oliveira Batista

Sandra Zita Silva Tiné

 

Um grupo de pesquisa, mais do que uma grife acadêmica, representa a junção de pessoas com interesses temáticos afins que buscam aprofundamento, ampliação e construção de conhecimento científico. Este é o caso do Grupo de Pesquisa Avaliação e Organização do Trabalho Pedagógico (GEPA), criado no ano 2000 pela professora Drª Benigna Maria de Freitas Villas Boas, ligado ao Programa de Pós-Graduação da FE-UnB e cadastrado no CNPq, que desenvolve pesquisas em nível de mestrado e de doutorado, e conta ainda com alguns integrantes que, após a conclusão de seus cursos Stricto Sensu, permanecem no Grupo incrementando pesquisas individuais e colaborativas. Read more →

HOMEWORK, FRIEND OR FOE?

Education Week Teacher, may 2016

Homework, Friend or Foe?

By Starr Sackstein on May 22, 2016 5:16 AM

Homework, by definition it is work that is to be completed outside of the school day. Usually it is to be brought in the following day and too often it is assigned uniformly to all.

As a student, I didn’t mind homework and thought of it as a necessary part of my education, seldom questioning the purpose or quality of it. Perhaps as an honors student my whole educational career, it was assumed and completed and never shared with my peers. Read more →