DEPUTADOS VÃO ACOMPANHAR A CONSOLIDAÇÃO DA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR

Arvoredos da Serra2

Câmara Notícias – 28/06/2017

Deputados vão acompanhar a consolidação da Base Comum Curricular e a reformulação do ensino médio

Uma subcomissão, criada com esse objetivo, reuniu nesta quarta-feira (28) especialistas e organizações da sociedade para colaborar com os trabalhos.

Deputados da Comissão de Educação da Câmara vão acompanhar a consolidação do texto da Base Nacional Comum Curricular e a reformulação do ensino médio no País. Uma subcomissão, criada com esse objetivo, reuniu nesta quarta-feira (28) especialistas e organizações da sociedade para colaborar com os trabalhos.

Relatora da subcomissão, a deputada Professora Dorinha Seabra Rezende (DEM-TO), afirmou que o grupo deverá cobrar do Ministério da Educação o cumprimento do prazo para conclusão da base curricular do ensino médio.

A pasta já entregou ao Conselho Nacional de Educação a base para a educação infantil, da creche à pré-escola, e para o ensino fundamental, do 1º ao 9º ano. Segundo o ministro da Educação, Mendonça Filho, a base referente ao ensino médio será entregue até o final deste ano, já adaptada às diretrizes do Novo Ensino Médio (Lei 13.415/17), aprovado pelo Congresso. Read more →

30
Jun 2017
AUTHOR Villas Boas
CATEGORY

BNCC

COMMENTS No Comments

BNCC: AFINAL, O QUE OS BRASILEIROS PRECISAM SABER?

IMG-20170624-WA0012

BNCC: afinal, o que os brasileiros precisam saber?

Jornal da Ciência – 28/06/2017

 

A disputa em torno do que cada segmento ou movimento social acredita que os brasileiros devam aprender desemboca diretamente neste documento que está em vias de ser aprovado pelo Conselho Nacional de Educação

Está na ordem do dia a questão de definir o que todos os brasileiros precisam saber. Em momento de extrema crise política, em que crescem as forças antidemocráticas e a Constituição é ameaçada de diversas formas, temas como Escola sem Partido, educação de gênero e direitos sociais ganham espaço no debate nacional.

Estas questões remetem diretamente a outra, que é a definição de uma Base Nacional Curricular Comum a todas as redes de ensino do País, a chamada BNCC. A disputa em torno do que cada segmento ou movimento social acredita que os brasileiros devam aprender desemboca diretamente neste documento que está em vias de ser aprovado pelo Conselho Nacional de Educação. Read more →

28
Jun 2017
AUTHOR Villas Boas
CATEGORY

BNCC

COMMENTS No Comments

USP QUER PREPARAR PÓS-GRADUANDOS PARA A DOCÊNCIA

IMG-20160105-WA0002

USP quer preparar pós-graduandos para a docência

Jornal da Ciência – 28/06/2017

Benigna Maria de Freitas Villas Boas

A iniciativa da USP é positiva por ser uma oportunidade de formação dos professores universitários, praticamente inexistente. Além disso, amplia as possibilidades de formação dos docentes da educação básica, tão necessitada de ter suas práticas repensadas e devidamente fundamentadas.  Os cursos de pós-graduação em Educação constituem o espaço privilegiado para atividades desse tipo. No momento em que o Brasil está prestes a implantar a Base Nacional Comum Curricular as universidades têm o dever de dar sua contribuição.

Passo a transcrever a reportagem do Jornal da Ciência de 28/06/2017.

 

“Falta de discussão e de valorização da carreira docente dificulta a formação de professores universitários

A vocação docente está prevista como fim da pós-graduação desde o seu primeiro plano nacional, publicado em 1965. Mas, desde então, novas possibilidades de carreiras surgiram e tomaram o espaço da prática docente no mestrado e doutorado. É o que observa Carlos Gilberto Carlotti Jr., pró-reitor de Pós-Graduação da USP.

“Por isso, erroneamente questionam se o pós-graduando deve ter habilidades pedagógicas”, diz Carlotti. “Independentemente do seu ramo de atividade, o estudante deve ter uma formação didático-pedagógica, porque assim ele desenvolverá uma série de habilidades de raciocínio, contextualização e de apresentação de ideias.” Read more →

28
Jun 2017
AUTHOR Villas Boas
COMMENTS No Comments

CIRCULARIDADE DE SABERES EM AVALIAÇÃO

IMG-20160104-WA0008

Circularidade de saberes em avaliação

Benigna Maria de Freitas Villas Boas

 

Tratando da circularidade de saberes dos atores envolvidos nos processos de avaliação institucional, Sordi e Ludke (2009, p. 32) nos oferecem o entendimento sobre o tema circularidade do saber, de modo geral, pontuando que não se trata da transferência de conhecimento de cima para baixo ou do centro para a periferia. As autoras reconhecem a sua potencialidade, pois a ideia de circularidade indica idas e vindas, a circulação entre duas (ou mais) fontes produtoras de saber, cada uma enriquecendo, a seu modo, a construção do conhecimento a seu respeito.

Desta formulação de Sordi e Ludke depreende-se que a circularidade de saberes é feita horizontalmente, isto é, sem a intenção de mera transmissão de conhecimento de quem sabe em direção a quem não sabe, como se houvesse apenas um detentor de saberes. Pelo contrário, democraticamente os envolvidos no processo promovem formas de difusão do que cada um conhece sobre o tema para que, em conjunto, formulem ou reformulem suas ideias e práticas. Também não é o caso de se chegar necessariamente a conclusões. Pode até ser que não se chegue a isso. O que importa é socialização de informações e conhecimentos para que todos deles se apropriem e os usem segundo suas necessidades. Read more →

O CURSO DE PEDAGOGIA: DISCREPÂNCIA ENTRE A TEORIA ENSINADA NA FACULDADE E O EXERCÍCIO DA PROFISSÃO

IMG-20170612-WA0007

O CURSO DE PEDAGOGIA: DISCREPÂNCIA ENTRE A TEORIA ENSINADA NA FACULDADE E O EXERCÍCIO EFETIVO DA PROFISSÃO

Profa. Dra. Sílvia Lúcia Soares

A reportagem “Alunas de pedagogia contam que realidade da profissão pode assustar: na teoria, tudo é fácil”, veiculada pelo G1, no dia 21/06/2017, enumera aspectos nevrálgicos tanto na formação quanto na profissão do pedagogo. Os pontos elencados na reportagem merecem uma análise mais acurada e aprofundada, entre os quais destacamos: a) função do pedagogo, b) desarticulação entre teoria e prática no processo de formação; c) distanciamento do trabalho pedagógico desenvolvido na universidade com os referenciais da Educação Básica; d) desvalorização do professor.

Sabemos que a discussão sobre a função do pedagogo não é recente e muito menos simples. Na verdade, ela advém das indefinições complexas relacionadas à Pedagogia e não apenas ao curso de Pedagogia. São diversas as concepções em relação à identidade da Pedagogia: ora considerada como campo científico; ora como um curso; como tecnologia da educação ou, ainda, ciência aplicada. Tais dúvidas geram indefinições quanto à sua especificidade, sua identidade e também quanto ao campo de atuação do profissional pedagogo. Read more →

A nova/velha face da punição escolar

20170505_123733

A nova/velha face da punição escolar

Enílvia Rocha Morato Soares – doutoranda em Educação

 

O site do Centro de Referência em Educação Integral publicou, no dia 20/06/2017, entrevista com a professora da Faculdade de Educação da UNICAMP, Áurea Maria Guimarães, autora do livro Vigilância, punição e depredação escolar. Antes de transcrever a publicação do site, assim como a entrevista, teço algumas considerações sobre o tema.

Os comportamentos requeridos socialmente exigem dos indivíduos sujeição a regras e padrões estabelecidos a fim de manter o que se considera uma sociedade ordeira ou organizada. Em outras palavras, manter e reproduzir o atual modelo social requer a adequação de comportamentos a modelos estereotipados a fim de reservar, a cada classe, o lugar que lhe cabe ocupar. Todo esse processo se reveste de democrático se considerada a aparente liberdade que cada pessoa possui de adotar ou não os comportamentos dela esperados. Aparente porque a coação que forja a padronização de condutas se dá, na realidade, por meio de mecanismos que são cruéis, não só pela imposição de uma dada maneira de proceder, mas principalmente pela sutileza dos modos como se apresentam, evitando deixar transparecer suas reais intenções. Read more →

24
Jun 2017
AUTHOR Villas Boas
COMMENTS No Comments

Sobre a BNCC

IMG-20170612-WA0024

Sobre a BNCC

Benigna Maria de Freitas Villas Boas

Cláudia Costin relata o que ouviu de Joanne Weiss, que esteve no Brasil nesta semana. A educadora americana coordenou, no governo Obama, o esforço de elaboração de orientações curriculares da pré-escola ao último ano do ensino médio. Passo a transcrever o artigo de Cláudia Costin, publicado na Folha de São Paulo de 23/06/2017.

O esforço foi apoiado por incentivos para Estados que a ele aderissem e envolveu mais do que apenas redigir o conjunto de competências que se esperava que os alunos alcançassem a cada ano de escolaridade. Incluiu capacitação de professores, modelos de avaliação e materiais de apoio aos docentes. Read more →

23
Jun 2017
AUTHOR Villas Boas
COMMENTS No Comments

PRIMEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO É A SÉRIE COM MAIOR ÍNDICE DE REPROVAÇÃO E EVASÃO

IMG-20170612-WA0011

Primeiro ano do ensino médio é a série com maior índice de reprovação e evasão

Profa. Dra. Maria Susley Pereira

Em reportagem publicada pelo jornal O Globo[1], em 20/06/2017, o “Primeiro ano do ensino médio é a série com maior índice de reprovação e evasão”. A reportagem apresenta dados divulgados pelo INEP – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, os quais mostram que o 1º ano do ensino médio é o ano escolar com o maior índice de reprovação (15,3%) e de evasão (12,9%) na educação básica entre 2014 e 2015.

A reportagem ainda revela que o 2º lugar em reprovação é o 6º ano do ensino fundamental, com 14,4%, e que o 3º ano, também do ensino fundamental, apresenta um elevado número de reprovações, chegando a 12,2% dos estudantes matriculados. Read more →

22
Jun 2017
AUTHOR Villas Boas
CATEGORY

Uncategorized

COMMENTS No Comments

Cultura avaliativa

IMG-20170612-WA0015

Cultura avaliativa

Benigna Maria de Freitas Villas Boas

A aprendizagem da avaliação é um dos saberes essenciais ao desenvolvimento do trabalho docente. Contudo, ela ainda é negligenciada na formação inicial e continuada de professores e dos demais educadores que atuam em escolas de educação básica e superior. Esse fato denota a necessidade de ela merecer lugar de destaque quando se discutem temas como currículo e trabalho pedagógico. Pesquisas têm revelado que o professor é um avaliador por excelência. O processo avaliativo que desenvolve compõe-se de elementos técnicos, políticos, sociais e afetivos. Por esse motivo, cabe refletir sobre as seguintes questões: por que e para que se avalia? Quem avalia e quem é avaliado? Por quais meios? A quem a avaliação beneficia? A quem pode prejudicar? Em que contexto ocorre? Com que cuidados se avalia? O que é feito com os resultados obtidos? A podem ser socializados? Que outras ações deles decorrem? Como eles retornam aos sujeitos avaliados? Além disso, outras considerações são acrescentadas: a necessária articulação da avaliação formal e da informal; o feedback pelo professor e a autoavaliação e o automonitoramento pelos estudantes, como recursos essenciais à avaliação formativa. Como coroamento disso tudo, afirma-se que a avaliação está a serviço das aprendizagens e não da aprovação e da reprovação. Read more →

O PROJETO DA ESCOLA, O CURRÍCULO E A AVALIAÇÃO: DIÁLOGOS NECESSÁRIOS

20160111_124435

O PROJETO DA ESCOLA, O CURRÍCULO E A AVALIAÇÃO: DIÁLOGOS NECESSÁRIOS

(Por: Erisevelton S. Lima – Professor da SEEDF, formador da EAPE, Doutor em Educação pela Universidade de Brasília – UnB)

 

Em meio aos inúmeros desafios que movimentam a escola de educação básica, a construção do seu projeto político-pedagógico – PPP – representa, nesse sentido, a oportunidade de a instituição superar obstáculos e potencializar seus acertos. Este breve texto procura auxiliar, de forma prática, como a organização pode encontrar sua metodologia e viabilizar as tratativas que decorrem dessa demanda. O projeto da escola é um documento cujos rumos precisam ser definidos e acordados entre todos que a habitam.

Se existe um início, então deve haver um fim, não é? Nem sempre, o projeto da escola não termina, como também não se encerram as inúmeras questões que a invadem todos os dias. Sendo assim, o primeiro passo é sentarmos, respirarmos e entendermos que somos seres históricos e nossas ideias, como tudo que realizamos, possuem prazos de validade. Vamos contribuir com o agora, vamos deixar nossas marcas e nossos passos, eles são nossas maiores contribuições. A escola precisa lançar mão de algo que chamamos de avaliação do trabalho da escola ou avaliação institucional. O PPP precisa ser avaliado. Se não existe o documento não quer dizer que o projeto não exista, ele se faz representar por meio de todos os hábitos, culturas e formas de agir na instituição durante o ano letivo. Comecemos nos autoavaliando, refletindo sobre nossas práticas e contribuições ao longo desse processo. Em seguida, elejamos algumas categorias do trabalho pedagógico que precisam dessa reflexão. Para tanto, apresento algumas questões que podem contribuir. Read more →