OBAMA E O FUTURO DA [NOSSA] AVALIAÇÃO – FINAL

OBAMA e o futuro da [nossa] avaliação – final

Publicado em 27/10/2015 por Luiz Carlos de Freitas no blog do Freitas

Como registramos em post anterior, o documento do Conselho das Grandes Cidades americanas sobre avaliação levou à reação de Obama que anunciou mudanças na política de avaliação das escolas nos Estados Unidos que segundo os analistas procurarão resolver estes problemas. Para alguns, de fato, a encenação se deve à proximidade das eleições americanas. Mas para outros há mais em jogo: a emergência de uma nova geração de sistemas de avaliação.

Diz Obama no documento:

“Em muitas escolas, há testes desnecessários e sem clareza suficiente quanto aos propósitos de seu uso na tarefa de avaliar os alunos, consumindo muito tempo de instrução e criando tensão indevida para educadores e estudantes. A Administração tem alguma responsabilidade por isso, e estamos empenhados em ser parte da solução.

Ninguém se propôs a criar situações onde os alunos passam muito tempo fazendo testes padronizados ou onde os testes são redundantes ou deixam de fornecer informações úteis. No entanto, estes problemas estão ocorrendo em muitos lugares – efeitos não intencionais de políticas que visam fornecer informações mais úteis para educadores, famílias, estudantes e formuladores de políticas e para garantir a atenção ao progresso da aprendizagem de alunos de baixa renda e de minorias, estudantes aprendizes do inglês, alunos com deficiência e membros de outros grupos que têm sido tradicionalmente pouco atendidos.

Estes objetivos estão certos, mas o apoio correto para a sua implementação tem sido inadequado, inclusive da parte desta Administração. Nós nos concentramos no incentivo para os Estados assumirem esses desafios e proporcionar-lhes flexibilidade. Um dos resultados dessa abordagem é que não temos prestado assistência suficientemente clara para a maneira de abordar cuidadosamente os testes e avaliação.” Read more →