DIÁLOGO SOBRE AVALIAÇÃO COM PROFESSORES DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UnB

DIÁLOGO SOBRE AVALIAÇÃO COM PROFESSORES DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UnB

Benigna Maria de Freitas Villas Boas

Publicado em http://gepa-avaliacaoeducacional.com.br

No dia 26/05/2015, a convite da Coordenação de Graduação da Faculdade de Educação da UnB, de 16 às 18h, conduzi diálogo sobre “A avaliação na educação superior e seus reflexos na educação básica”. Dos cerca de 100 professores da instituição, 18 estiveram presentes. O ponto de partida do debate foi o tratamento dado à avaliação em três documentos divulgados pelo MEC a partir de 2012: dois deles são dirigidos a professores dos anos iniciais do ensino fundamental: o que faz parte da formação continuada oferecida pelo Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa – PNAIC; o outro tem o título de “Elementos conceituais e metodológicos para definição dos direitos de aprendizagem (1º, 2º e 3º anos) do Ensino Fundamental. Comentei que, estranhamente, nenhum deles sequer faz menção à avaliação informal. Digo estranhamente porque esta modalidade de avaliação está fortemente presente nessa etapa de escolarização, na qual atuam professores que interagem de forma longa e duradoura com as crianças, quando elogios, broncas, rótulos, ameaças e comentários encorajadores e desencorajadores são frequentes. O documento do PNAIC é recheado de sugestões de atividades avaliativas (avaliação formal), mas não leva em conta a avaliação informal. Como são documentos orientadores e distribuídos a docentes de todo o país, difunde-se largamente a ideia de que a avaliação se realiza somente por meio de procedimentos formais, que têm dia e hora de ser aplicados. Contudo, pesquisas têm demonstrado que a avaliação informal acompanha o estudante desde o momento em que ele entra NA escola e influencia as decisões dos professores não apenas quanto aos procedimentos avaliativos que utilizarão e quanto aos resultados, mas, também, quanto à reorganização do trabalho pedagógico. Read more →