AVALIAÇÃO EM DEBATE III: SÍNTESE E CONTRIBUIÇÕES

AVALIAÇÃO EM DEBATE III: síntese e contribuições

Enílvia Rocha Morato Soares

Integrante do GEPA

 

O Grupo de Pesquisa Avaliação e Organização do Trabalho Pedagógico – GEPA – realizou, no dia 26 de agosto de 2015, de 8h30 às 10h30, na sala Papirus da Faculdade de Educação da Universidade de Brasília, mais um “Avaliação em Debate”. Este foi o terceiro encontro organizado pela equipe com o objetivo de discutir temáticas relacionadas à avalição educacional e construir entendimentos que possam contribuir para que a prática avaliativa formativa venha a constituir uma realidade na organização do trabalho pedagógico de todas as nossas escolas.

A iniciativa de reunir pessoas, de alguma forma envolvidas com a educação, para o estudo de questões que tratam da avaliação, nasceu do resultado de pesquisas realizadas pelo Grupo, que apontam a hegemonia e a naturalização de concepções avaliativas pautadas na ideia de formação centrada no ensino, e este, realizado de forma homogênea e excludente. O uso da avaliação como meio de medir conhecimentos e classificar estudantes tem sido prática comum entre aqueles que compartilham tais representações. Read more →

É NA ESCOLA QUE APRENDEMOS A AVALIAR E SER AVALIADOS

Benigna Maria de Freitas Villas Boas

Lúcio completará 9 anos no final de julho. Está frequentando o 4º ano do ensino fundamental e demonstra já compreender o significado da avaliação. Não que alguém lhe tenha dito em que consiste esse processo. O que se vivencia na escola é uma grande aprendizagem desde os primeiros anos de escolarização.

Em um dia da semana passada Lúcio chegou em casa e contou à sua mãe que havia feito uma “avaliação” diferente: a professora pediu que fizesse uma prova “olhando o caderno”. Foram estas as palavras usadas por ele. Sua mãe se interessou pelo assunto e começou a fazer perguntas. Ela queria saber que prova era aquela. O menino repetiu que poderia ir fazendo a prova “olhando o caderno”. Era a famosa prova com consulta. Mas ele ainda não conhece essa nomenclatura. Parece-me que ele ficou impressionado com essa “avaliação”. O importante é que Lúcio disse à sua mãe que não olhou no caderno porque não achou “certo fazer isso”, já que era uma “avaliação”. E completou: não achei “justo”. Read more →