ENSINAR, APRENDER E AVALIAR: QUESTÃO DE CONCEPÇÃO

Erisevelton Silva Lima (Prof. Eri)
Se as coisas são inatingíveis, isso não é motivo para não querê-las. (Mário Quintana)

Caso não mudemos as concepções sobre ensinar e aprender, tampouco mudaremos a compreensão sobre o que é avaliar. A avaliação, isoladamente, não muda a concepção de ensinar, também não opera sobre o que pensam os professores sobre o que é aprender. Em razão das nossas práticas antigas e equivocadas sobre o que é avaliar respaldadas na função classificatória, a avaliação ocupa lugar derradeiro no processo de ensino. Muitos ainda acreditam que se deve ensinar para depois aprender e que, finalmente, será possível avaliar. Nessa “esteira fabril” transportada para o cenário educativo, a avaliação é concebida como um fim em si mesma para justificar os meios. A compreensão é a de que depois de “tudo” feito, “avalia-se” para corroborar os resultados. Acontece que nós, defensores da avaliação formativa, acreditamos noutra lógica, ou seja, naquela em que o ato avaliativo acontece antes mesmo de ensinar e permanece durante todo o processo servindo de retroalimentação para aqueles que agora aprendem, ensinam e progridem juntos. Read more →

19
May 2013
AUTHOR Villas Boas
COMMENTS No Comments