Incompreensões sobre avaliação

Benigna Maria de Freitas Villas Boas

No momento em que a SEDF se prepara para dar continuidade à organização da escolaridade por meio de ciclos, têm surgido manifestações reveladoras do entendimento equivocado de avaliação. Sempre que se aborda esse tema a avaliação é mencionada, o que demonstra a necessidade de ser bem compreendido o seu papel. Dirimir dúvidas é indispensável.

Reportagem do Corrreio Braziliense do dia 07/02/2013, Caderno Cidades, p. 25, afirma: “Pelo planejamento do governo, os estudantes do ensino fundamental não serão mais avaliados a cada série, como acontece hoje a partir do 4º ano. A Secretaria de Educação vai ampliar o sistema de ciclos, já implantado da 1ª à 3ª série, para os dois anos subsequentes. Assim, somente no fim do 3º e do 5º anos, os alunos farão provas que poderão reprová-los”. Esta declaração presta um desserviço à comunidade e ao trabalho escolar porque transmite informação errada. Em primeiro lugar, os estudantes não deixarão de ser avaliados a “cada série” porque a avaliação é um processo que ocorre em todos os momentos do trabalho escolar. É comum confundir-se avaliação com reprovação. Reportagens como esta reforçam a ideia da necessidade da reprovação, um mito a ser derrubado. O objetivo da escola é promover as aprendizagens de cada estudante. A reprovação representa o fracasso da escola.

Leia mais →

13
Feb 2013
AUTHOR Villas Boas
COMMENTS No Comments